Saindo do papel: como planejar uma startup

como planejar uma startup

Há um tempo, a iniciativa empreendedora vem ganhando cada dia mais espaço no Brasil, fortalecendo a criação e desenvolvimento de uma cultura corporativa nacional. A crise econômica que assola o país também não prejudicou a incidência dessas iniciativas, pelo contrário, impulsionou o surgimento de novas ideias pelo empreendedorismo por necessidade. Mas, seja por precisar dar uma volta por cima, ou por querer realizar um sonho que não é novidade no seu imaginário, é preciso muita dedicação ao planejar uma startup.

Mas, por onde começar?

Aqui não tem muito segredo, o fator primordial é a ideia, o conceito. Para solucionar problemas, não há caminho que fuja de muita reflexão e análise sobre as necessidades do mercado que você quer atingir. O que te leva a outras observações também fundamentais para planejar uma startup, ou seja, a definição de qual ou quais demandas você consegue solucionar com criatividade e quais áreas do mercado suas ideias têm potencial para abranger.

Sua ideia realmente é válida?

O público em potencial deve ser pensado desde o início, para que você não perceba ter criado algo que não é de fato aplicável no mercado apenas quando estiver em busca de captar clientes, depois de ter trabalhado meses a fio no desenvolvimento de algum produto. Essa etapa é onde você precisa validar sua ideia, buscando entender o potencial que ela tenha, mas não pela sua visão de criador, e sim pela visão de mercado, do seu futuro cliente.  

Nesse momento, pode ser crucial contar com a ajuda de um ambiente como o ecossistema de inovação, que te colocará em contato com empresários aptos a fornecerem uma visão compatível com a do mercado. Na ISSO!, a experiência vai além, é prática. Por não tratar-se de um simples coworking, as startups têm a chance de resolver desafios reais, arrumando soluções para problemas verdadeiros já sinalizados por empresas consolidadas no mercado. Isso valida os produtos e serviços da sua startup desde o primeiro dia. Até porque, a comunidade do ecossistema de inovação é formada por early adopters, que facilitarão a mensuração do valor de mercado da sua empresa depois de validarem o seu potencial.

Uma startup, várias habilidades

Assim como as empresas que serão beneficiadas pelas suas criações, você também não consegue dar conta de absolutamente tudo sozinho e é preciso reconhecer esse fato – que se aplica a qualquer profissional de qualquer aŕea, na verdade. A partir do momento que você internalizar isso e conseguir dividir as suas próprias demandas entre “coisas que dou conta” e “coisas que não dou conta”, ficará mais fácil e natural agregar diferentes habilidades e formar uma equipe de conhecimentos amplos.

A interdisciplinaridade é uma característica de extremo valor no mercado atual, que muda com muita frequência e busca cada vez mais desenvolver produtos multifuncionais. Aqui, mais uma vez, será muito mais difícil avançar sem integrar um ecossistema de inovação como o da ISSO!, afinal, que lugar mais fácil para encontrar parceiros que tragam múltiplas habilidades se não um coworking que preza pela criatividade? Nesta altura, também é interessante definir e firmar acordos no caso de sociedade.

Sejam sócios, mentores ou parceiros para alguns negócios, qualquer profissional pode ser encontrado com muito mais facilidade em um ambiente que reúne diferentes habilidades, cargos e modelos de empresas. Assim, o espaço da ISSO! potencializa de forma inédita o crescimento dos empreendimentos que encontram problemas e os solucionam de forma fluida, já que estão integradas a centenas de profissionais presentes no dia a dia do seu desenvolvimento.

MVP: uma das etapas na hora de planejar uma startup

Planejar uma startup é uma grande sucessão de projetos. Por isso, é chegada a hora de desenvolver mais um planejamento, agora para captar investimentos para sua startup. Para convencer o mercado, por mais completo e sofisticado que possa ser o conceito que você busca desenvolver, apenas a ideia não basta. É necessário mostrar a aplicabilidade do seu produto, o que implica em seu desempenho, demonstrar que sua ideia não pode ser facilmente copiada, etc.

Tudo isso será feito através do seu Minimum Viable Product (MVP), assunto sobre o qual já falamos por aqui. Esta etapa é mais uma na qual a ISSO! pode te impulsionar através de seu sistema de inovação, estrutura que coloca em contato empreendedores de startups e empresários já estabelecidos no mercado, a fim de criar um fluxo de trocas profissionais relevantes aos dois lados. Além de orientar o desenvolvimento desse plano, o coworking proporciona um ambiente onde a captação de recursos se dá de forma mais rápida e natural também, uma vez que empresários e donos de startups estão constantemente trabalhando em um mesmo espaço e interagindo profissionalmente.

O mundo corporativo

A sua startup também é parte desse universo corporativo e, logo, deve ser pensada para atender alguns requisitos. O mais crucial é a cultura corporativa da sua empresa, que leva em conta valores pessoais do fundador – no caso, você – e da equipe também. A cultura, em geral, ganha cada dia mais espaço na sociedade e é cada vez mais questionada a fim de estabelecer padrões saudáveis e produtivos de comportamento, tendência que pode impactar diretamente nos lucros do seu negócio.

Nesse sentido, a convivência em um coworking só tem a beneficiar sua empresa, já que coloca a equipe em contato com situações plurais, comportamentos diferentes, enfim, uma série de pluralidades. Tendo essa realidade em vista, pode-se deduzir a importância de uma boa cultura organizacional na sua startup, já que além de ser uma declaração – e prática – dos seus valores, será uma forma de atrair pessoas que compartilhem dos mesmos princípios.

Equipe ISSO!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *