Por que investir em um ecossistema de inovação como o coworking da ISSO!?

ecossistema de inovação

Por Ivan Tallarico

No texto anterior, explicamos um pouco sobre o surgimento e funcionamento da ISSO!, bem como será o novo espaço de coworking em São Paulo e sua proposta de inovação. Hoje, falaremos sobre as principais vantagens de se contar com um ecossistema desse tipo. Confira abaixo!

1- Convergência entre inovação e real estate reduz o risco

O conceito único proposto pela ISSO! combina o potencial da transformação digital com as vantagens do setor imobiliário, oferecendo espaço e serviços compartilhados para o ecossistema de inovação. O novo coworking em São Paulo da ISSO! cobre o custo fixo da operação e a empresa terá opções de compras sobre os imóveis alugados para se apropriar do valor agregado mediante a operação.

Tipicamente, a ISSO! escolhe locais com grande potencial de valorização ao longo do tempo, funcionando como uma âncora para o imóvel. O componente imobiliário do negócio mitiga o risco tipicamente associado ao investimento em inovação, levando em consideração que não tem investimento direto envolvido em equity das startups e sim na aceleração das mesmas.

2- Modelo de aceleração Client-Venture evita write-off e diluição

Os “millenials” têm uma relação com o trabalho diferente das gerações anteriores. Nesta nova era, empreender é uma ambição cada vez mais frequente, e todos querem fundar sua própria startup.

Na outra ponta, empresas já estabelecidas e com estruturas mais rígidas – portanto, com mais dificuldade para se adaptar a grandes mudanças – buscam cooperar com essas startups para inovar. Essa é uma combinação perfeita para que ideias promissoras saiam do papel – essa é a proposta da ISSO!: criar pontes entre empresas em busca de soluções inovadoras e startups em busca de soluções para incrementar suas atividade.

Em resumo, a ISSO! cria pontes entre quem tem as soluções e quem tem os meios para viabilizá-las. Nesse modelo, a ideia é oferecer um serviço de “Bridge ou Matchmaking” que a coloca como um “broker” puro de inovação e oportunidades, no qual recebe um “retainer fee” pago pelas empresas e um “success fee” pago pelas startups.

Este modelo evita a drenagem de recursos significativos no investimento de capital das startups aceleradas e a diluição dos mesmos nos rounds subsequentes ao período de aceleração, quando tudo correr bem, ou seja quando o investimento se torna um “write-off”, mesmo assim proporciona o ganho associado à inovação bem sucedida.

3- Economia compartilhada

A proposta do coworking em São Paulo traz ainda a vantagem de rodar os programas dentro de um espaço compartilhado com outras empresas, trabalhando em diferentes verticais temáticas simultaneamente, multiplicando as oportunidades de networking e contaminação positiva dos próprios projetos e equipes de inovação.

Já as startups, sobretudo aquelas em estágio inicial ou ainda em fase de formação, podem se beneficiar de um ambiente que proporciona acesso a mercado, mentoria, serviços de contabilidade, assessoria jurídica, TI e marketing, com fácil acesso logístico, ótima infraestrutura e a um custo benefício melhor do que qualquer outra realidade do tipo no País.

4- Senso de comunidade: inclusivo vs. exclusivo

Quando as pessoas são privadas de uma oportunidade de se destacar e contribuir, todos perdemos. Nossa missão é permitir conexões e alinhar recursos para impulsionar o empreendedorismo e a inovação. Apoiar essa missão pode ser extremamente gratificante, observar as empresas jovens se tornando um sucesso fará as empresas já estabelecidas e os mentores se sentirem como um avô orgulhoso!

Estamos construindo um novo tipo de empresa, uma plataforma para conectar talentos e oferecendo espaço para as mentes mais brilhantes da América do Sul para se encontrar, aprender e contribuir juntos com a mudança no status quo.

Equipe ISSO!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *