Empreendedorismo de impacto abraça propósitos da nova juventude empreendedora

O empreendedorismo de impacto não é novidade para quem acompanha o blog da ISSO!, abordamos o assunto em outra publicação para entender o porquê de ser tão promissor no Brasil. Mas o que nem todo mundo imagina é que esse formato é o principal responsável pela renovação e continuidade da vontade de empreender.

Sem ilusões

A maior participação de jovens no empreendedorismo foi constatada, por exemplo, pelo relatório anual GEM (Global Entrepreneurship Monitor). Segundo a pesquisa, conduzida pelo Sebrae aqui no Brasil, os jovens empreendedores são 57% dos empresários à frente de novos negócios.

Veja como o empreendedorismo fechou o ano de 2017, de acordo com o relatório GEM:

Taxas (em %) específicas¹ e estimativas² (em milhões) do número de empreendedores por faixas etárias segundo estágios do empreendimento – Brasil – 2017

Com o aumento de participação, essa parcela de novos aventureiros na vida empreendedora se diferencia de gerações mais clássicas por um motivo que surpreende alguns: o lucro não é a principal meta. De acordo com a Pesquisa Juventude Conectada – estudo realizado pela gigante da telefonia Vivo, em parceria com o IBOPE, que ouviu 400 jovens entre 15 e 29 anos – atividades que conferem um “propósito de vida” ou “realização pessoal” são o que essa parcela da população almeja.

E como é possível?

O empreendedorismo de impacto tem tudo para atrair a atenção desses jovens que buscam um propósito de vida maior através da mudança na realidade de quem precisa. Os projetos desenvolvidos nessa linha de empreendimento não excluem a possibilidade de bons ganhos financeiros, mas vão de encontro com os anseios da juventude, uma vez que o empreendedorismo de impacto prioriza a busca por melhorias em diferentes sentidos e contextos sociais.

É notável que apenas dar início a um negócio através de documentos não configura empreendedorismo para essa juventude. O estudo constatou que 64% dos jovens acreditam que o ato de empreender está muito mais ligado a ação e criatividade. Mas, claro que isso não torna dispensável toda e qualquer etapa mais formal para empreender, como planejar uma startup.

A juventude empreendedora é um dos públicos que mais pode se beneficiar de um ambiente que sustenta um ecossistema de inovação, como o hub da ISSO!. A sede de colocar os ideais e projetos em prática encontra reforços em nosso coworking e centro de inovação, uma vez que a prática é o foco da democratização às oportunidades empreendedoras que nosso espaço promove.

Autonomia é o sonho

A pesquisa também identificou o tamanho da importância que a independência tem para os jovens empreendedores. Dentre os entrevistados, 56% já se consideram empreendedores e, desta fatia, 70% preferem ter um negócio próprio ao invés de trabalhar em outras empresas no papel de funcionário.

A liberdade na tomada de decisões é um dos fatores pelos quais a ISSO! também preza. Exemplo disso é que o hub adota um modelo democrático que facilita a entrada para o ecossistema de inovação – pela ausência de investimento inicial – mas também fácil de sair, caso o empreendedor queira.

Mas é justamente pelo frescor que os jovens empreendedores carregam nas veias de suas iniciativas que eles têm tanto a se beneficiar de um hub tão plural, que já o insere em promissoras redes de relacionamento, além de auxiliar nas etapas mais tradicionais do empreendedorismo, como planejar uma startup, validar serviços e produtos, captar possíveis investidores, entre outras fases que uma estrutura como o ecossistema de inovação aborda inevitavelmente.

coworking no centro de São Paulo

Equipe ISSO!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *